Moderna, exótica, cosmopolita. Essas são as palavras que melhor definem Santiago, a capital do Chile. Museus, arquitetura grandiosa, diversidade de shoppings… Isso é apenas uma amostra do que a cidade emoldurada pela Cordilheira dos Andes tem a oferecer.

Quem já foi à capital chilena sempre vai embora com uma sensação de “quero mais” e a promessa de um retorno. São tantos lugares para visitar e/ou revisitar que acaba sendo bastante tentador não marcar uma próxima viagem.
Preparamos um post cheio de atrações para aproveitar Santiago com tudo o que tem direito e sem arrependimentos, desde dicas de hotéis bem localizados a pontos turísticos imperdíveis. Pronto para agitar essa viagem? Aperte o cinto!

Quando ir

As estações de Santiago são bem definidas – no verão faz calor e os dias são longos, com muitas horas de sol; já o inverno é bem frio e os dias mais curtos (perfeito para curtir a neve dos Andes e passar o dia em uma estação de esqui). A temperatura média anual da cidade é de 14ºC e as chuvas são mais frequentes entre maio e setembro. Como o clima é predominantemente seco, é recomendável utilizar hidratantes para evitar o ressecamento da pele e dos lábios.
A melhor época para visitar a cidade depende muito do seu roteiro. A alta temporada nas estações de esqui, por exemplo, acontece entre julho, agosto e setembro. Se der sorte, pode encontrar neve nas montanhas ainda nos meses de maio, junho e outubro.
Se quiser virar o ano fora do Brasil, o Ano-Novo no litoral chileno é bem animado.
Independente da época escolhida para viajar, é aconselhável levar um casaco de frio, pois a temperatura pode ser amena pela noite.

Moeda

Demos uma dica básica sobre como o calcular os pesos chilenos no post sobre turismo no Chile, mas ainda há mais coisas que vale à pena saber sobre o câmbio.


Muitos turistas costumam dizer que não vale à pena comprar peso chileno ainda no Brasil. Apesar de parecer barata, a cotação não é muito vantajosa. Por isso, o ideal é ir com reais, mesmo. Se desejar fazer o câmbio, procure fazê-lo durante a semana, no expediente bancário (aos finais de semana e fora do horário, a cotação do real cai). Fique sempre de olho no valor da moeda através do site Cambios Santiago.
E se pretende ir para o Atacama, Lagos Andinos ou Patagônia, opte por dólares. O real não possui uma cotação tão boa quanto em Santiago.

Hospedagem

Depois de escolher o destino há sempre a preocupação da hospedagem. Hotel ou hostel? Bem localizado? Preço aceitável?
Santiago possui acomodações para todos os bolsos. Se você está interessado em um preço mais acessível, o Centro da cidade é o melhor lugar. É bem localizado e oferece maior acessibilidade ao comércio e ao transporte público (o que é bem favorável para os turistas que querem se aventurar pelas ruas chilenas). As diárias variam entre R$100,00 e R$200,00, como o Soho Santiago, o Hotel Santa Lucia, o Hotel Principado, o Hotel Vegas, e o Hotel Quito. Albergues e hostels também são bem procurados, pois possuem tarifas abaixo de R$100 reais, como o Santiago Backpackers, o Hostel de La Barra e o Rado Boutique Hostel (este último no bairro Bellavista, a poucas quadras do centro).
Agora, se seu orçamento é menos apertado e a preferência é por um lugar sossegado, sem um grande fluxo de pessoas dia e noite, Las Condes é a melhor opção. É um bairro nobre e charmoso com bons restaurantes.
Há uma grande concentração de hotéis, como o Director El Golf, com diárias na faixa de R$250,00. Com um valor similar, há outros hotéis como, o Plaza El Bosque, o Atton El Bosque e o La Sebastiana.
Há também a vizinhança de Providencia, que oferece uma porção de serviços, dentre restaurantes e bares, além ter fácil acesso ao metrô. A melhor opção nessa região são o NH Ciudad Santiago, cujas diárias ficam na faixa de R$250,00. Há também opções mais econômicas, entre R$100,00 e R$200,00, como o Mito Casa Hotel, o Tulip Inn e o Hotel Don Santiago.

Atrações

Depois de instalados, vem a melhor parte: turistar! A Aghito separou os lugares aos quais você não pode deixar de visitar:

Cerro San Cristóbal
Muitos dos viajantes sugerem começar o passeio pela região central de Santiago que começa no bairro Bellavista. A subida ao Cerro San Cristóbal é mais do que obrigatória, pois se trata do monte mais alto (depois de Cerro Renca), e com a vista mais bonita para a parte moderna de Santiago. São quase 300 metros acima da cidade!
Para chegar até lá, basta utilizar o funicular, que funciona de terça a domingo, das 10h às 20h; e às segundas, das 13h às 20h. O preço é bem acessível: aproximadamente 2.000 pesos ida de volta (R$10,20). O intervalo de partida dos trens é de 30 minutos, então o ideal é não se atrasar para não ter que ficar esperando 30 minutos até a próxima partida.
O funicular nada mais é do que dois vagões com capacidade de 80 pessoas que percorrem 485 metros em um plano inclinado, unindo as estações Pío Nono, Zoológico e Cumbre.
No topo do monte, além da vista de tirar o fôlego, o turista tem a opção de conhecer o Santuario de La Inmaculada Concepción del Cerro San Cristóbal, um dos principais templos da Igreja Católica do Chile.
Para os aventureiros de plantão, há a possibilidade de subir a colina a pé, de bicicleta, ou até mesmo de carro (até um certo ponto do percurso).

La Chascona
Na hora de descer, a próxima parada pode ser a La Chascona, uma das três casas que pertenceu ao poeta Pablo Neruda. Se você é do tipo que gosta de poesia ou até mesmo arquitetura, vale à pena visitar o lugar, que remete muito não só à época, mas ao próprio escritor.


A visita guiada pode ser feita em espanhol, inglês ou francês, e permite conhecer todo o interior da residência, que conta com alguns objetos pessoais de Neruda.
O local é aberto para visitação de terça a domingo, das 10h às 18h, e a entrada custa 6.000 pesos (R$30,66). É sugerido realizar a reserva no site oficial do museu para garantir sua vaga.

Museu Nacional de Bellas Artes
Atravessando o Rio Mapocho há um acesso ao Parque Florestal e ao Museu Nacional de Bellas Artes, que possui um acervo com mais de 3 mil itens que variam entre pinturas e esculturas de artistas chilenos e europeus.
O local funciona de terça a domingo, das 10h às 18h50, e a visitação tornou-se gratuita a partir de março de 2015. Não é permitida a entrada de bolsas e mochilas (essas devem ser armazenadas no guarda-volumes), e fotografias são permitidas em determinados lugares.
E atenção! O museu não funciona nos seguintes feriados: 1º de Janeiro (Ano Novo), 25 de Março (Viernes Santo), 1 de Maio (Dia do Trabalho), 18 de Setembro (Dia da Independência), 1 de Novembro (Dia de Todos os Santos) e 25 de Dezembro (Natal).

Mercado Central
Continuando a caminhada, você encontrará o Mercado Central, o mercado público municipal de Santiago que foi inaugurado em 1872, no mesmo lugar onde ficava a antiga Plaza de Abastos e que foi incendiada em 1864.
Nas laterais do local ficam as peixarias, e no centro, os restaurantes. É uma boa opção para quem quiser conhecer e apreciar a culinária chilena. El Galeón, Donde Augusto, La Joya del Pacífico, El Rey del Mariscal, El Rey del Pescado e El Rincón Marino são as principais casas que atraem os turistas. Mas é preciso ter um pouco de paciência, pois é um lugar com um grande fluxo de pessoas (o que o torna um tanto quanto desorganizado), e os garçons são bem insistentes na hora de conquistar o freguês.
Além das peixarias, há lojas e barracas que também vendem frutas, verduras, bebidas, ervas e frios, mantendo a tradição iniciada há 140 anos. Além do comércio, dá para aproveitar o conceito histórico do mercado e apreciar arquitetura.
E a dica sobre lugares muito movimentados continua valendo: fique sempre atento às suas bolsas e carteiras.

Plaza de Armas e Catedral Metropolitana de Santiago
Como tudo fica muito perto, saindo do Mercado Central, chega-se a Plaza de Armas, considerada o marco zero de Santiago. Foi ali que o conquistador espanhol Pedro de Valdívia fundou a cidade, em 1541.
A praça é grande, bem arborizada e rodeada de outras atrações, como a Catedral Metropolitana de Santiago, o prédio dos Correios e o Museu Histórico Nacional. O local é cenário de cartões postais devido à disparidade entre as construções modernas e neoclássicas sem perder o charme. É um ótimo lugar para relaxar depois de comer no Mercado e conhecer um pouquinho mais sobre a cultura chilena. A praça possui uma grande quantidade de árvores e diversas esculturas, estátuas e monumentos.
O ponto mais visitado é a Catedral Metropolitana de Santiago, construída em 1748. É a quinta edificação feita no local – antes dela existiam outras quatro igrejas que foram derrubadas pelos índios ou por terremotos.


Projetada pelo arquiteto Joaquín Toesca – o mesmo do Palacio de La Moneda –, a imponente catedral possui uma grande riqueza histórica, com diversas estátuas e imagens de santos, lustres, vitrais e objetos detalhados em prata e ouro que valem à pena conferir.

Museu de Arte Precolombiana
Esse passeio é para quem gosta de conhecer o legado de antigas civilizações e um pouco da cultura de povos pré-colombianos! O local conta com itens esculpidos em madeira e pedra, como objetos de uso diário, utensílios utilizados em cerimônias, máscaras, vasos e até instrumentos musicais de sopro e percussão de povos maias, astecas e mapuches!
O museu funciona de terça a domingo, das 10h às 18h, e a entrada custa 4.500 pesos chilenos (R$23,00). É necessário agendar a visita enviando um e-mail ao endereço reservas@museoprecolombino.cl.

Paseo Ahumada


Aproveitando que já está nos arredores, ir à Paseo Ahumada pode ser uma boa opção. É a principal rua de comércio do centro de Santiago. Você poderá encontrar lojas de departamento como Ripley e Falabella, consideradas as melhores da região. Se estiver interessado em trocar dinheiro, este é momento. As casas de câmbio mais conhecidas ficam nas ruas Agustinas e Moneda.

Palacio de La Moneda
É a sede do governo Chileno, onde localiza-se o gabinete do presidente e alguns outros órgãos. Fica bem no centro da cidade, entre as praças da Cidadania e da Constituição.
Quem tiver interesse em visitar o interior do palácio precisa fazer agendamento prévio através do e-mail visitas@presidencia.cl e informar qual a data desejada. O passeio guiado é feito apenas em espanhol e pode ser realizado de segunda a sexta.
A cada dois dias acontece, às 10h da manhã, a Troca da Guarda (Cambio de Guardia), exatamente na frente do palácio. É uma tradição que acabou se tornando um “espetáculo” com guardas marchando, banda, cavalos, hasteamento da bandeira, hino da república, tiros e muito mais.
O calendário das trocas funciona da seguinte maneira: dias ímpares dos meses de janeiro, março, junho, julho, setembro e outubro; e dias pares dos meses fevereiro, abril, maio, agosto, novembro e dezembro.

Cerro de Santa Lucia
Caminhando oito quadras (ou pegando o metrô para descer na estação Santa Lucia), chega-se ao Cerro Santa Lucia, uma formação rochosa com 69 metros de altura que foi declarado monumento histórico nacional em 1983.
O local é considerado um grande marco histórico, pois em 1540, o conquistador Pedro de Valdivia conquistou o cerro, montando seu primeiro acampamento, e a cidade foi fundada aos pés do monte.
Atualmente, o cerro se transformou em um parque repleto de monumentos, mirantes e jardins e está diariamente aberto das 8h às 21h. A entrada é gratuita, porém, é necessário apresentar um documento de identificação apenas por questão de segurança.
O morro é menor que Cerro San Cristóbal. No entanto, para subi-lo, você terá de enfrentar uma ladeira de 69 metros formada por mais de 200 degraus e rampas. Mas não se preocupe! Durante o percurso há vários pontos de descanso, como a Terraza Neptuno, uma fonte de água inspirada na Fontana di Trevi, de Roma.
No topo do cerro está o Mirante, com uma vista que compensa todo o esforço da subida.

Vinícola Concha y Toro
Depois de um tour completo pela região central de Santiago (que pode ser feito em um dia), está na hora de apreciar uma das maiores tradições chilenas: o vinho.


Mesmo que não seja amante da bebida, o passeio é quase que obrigatório! Os turistas têm a oportunidade de visitar toda a propriedade, passando pelo antigo casarão da família que fundou a vinícola, além dos jardins, os vinhedos e as adegas. É um mix de aula de história, curiosidades sobre o processo do plantio das uvas e a produção e armazenamento dos vinhos. E ainda com direito a paradas para degustação!
Há duas opções de tour: o tradicional Concha y Toro, que custa 8.000 pesos (R$32,00); e o completo, com queijos e vinhos, cujo preço é de 17.000 pesos (R$68,00). A diferença é que o primeiro tem duração de 1 hora e possui duas degustações de vinho, enquanto o segundo tem duração de 1h30 e conta com seis degustações.
Assim como a maioria dos passeios, é importante fazer a reserva com antecedência. Tente agendar para o primeiro horário da manhã, assim o roteiro não ficará comprometido. Acesse o site oficial da vinícola e marque a sua visita.

Valle Nevado
Um dos momentos mais esperados pelos turistas é neste passeio: subir a Cordilheira dos Andes e conhecer a Valle Nevado, a maior estação de esqui da América do Sul. São quase duas horas de carro compensadas pela vastidão de lindas paisagens ao longo do caminho. Apesar de ser apenas a 50km de Santiago, o percurso é demorado devido as curvas sequenciais que requer cuidado e atenção.
Se a sua viagem for na alta temporada, não é recomendável fazer o passeio de carro, pois haverá neve acumulada na pista e será necessário utilizar correntes nas rodas para o veículo não derrapar. Em vez disso, opte por transfer de empresas especializadas que oferecem passeios de meio período ou de um dia inteiro. Se você quer esquiar, reserve um dia inteiro para o Valle Nevado. Mas se só tiver a intenção de subir para conhecer a estação e ver a neve, meio período já é mais do que suficiente.
Caso você não tenha alugado um carro ou tenha visitado apenas uma das duas atrações, terá a opção de preencher o resto do dia com compras em shoppings como o Parque Arauco, o Alto Las Condes ou a outlet Buenaventura Premium.

Cidades de Valparaíso e Viña del Mar

Da neve a praia! Quem tiver tempo de sobra no roteiro pode incluir um passeio litorâneo nas cidades vizinhas localizadas a 120km de Santiago. Você pode alugar um carro, pegar um ônibus de linha ou contratar um passeio com agências de turismo locais (esta última opção não é tão recomendável se não quiser fazer um passeio estipulado pela própria agência).
Em Valparaíso, o ideal é pegar o elevador Ascensor Artilleria para conferir o visual de Paseo 21 de Mayo, um mirante com vista panorâmica para toda a orla, desde a zona portuária até o centro da cidade. Também é interessante pegar um funicular para subir até o Cerro Concepción, que abriga antigas casas e igrejas construídas por imigrantes ingleses e alemães, além de uma vista espetacular da baía.
No centro da cidade, há o Museu La Sebastiana, outra casa do poeta Pablo Neruda. A visita áudio-guiada é em português e conta a história de todos ambientes da casa de 5 andares em que o poeta viveu boa parte de sua vida. Para fechar o passeio com chave de ouro, siga para Muelle Baron, um píer desativado na antiga zona portuária, no início da avenida que faz a ligação com a nossa próxima parada.
Viña del Mar é o principal destino de verão dos santiaguinos. A extensa praia de Reñaca é a mais conhecida. Em alguns dias, a temperatura pode chegar perto dos 30°C! Mas se não gosta de água fria, nem se atreva a dar um mergulho, pois além das ondas das águas do Pacífico serem fortes, são incrivelmente geladas!
Em uma caminhada rápida você pode conhecer o Relógio de Fores, principal cartão-postal da cidade; o Castelo Wulff, construído na beira do mar há mais de 100 anos e que abriga atualmente exposições de arte gratuitas; e o Parque Quinta Vergara. À noite, você ainda pode apostar alguns pesos nas roletas de um elegante cassino!

Já deu pra perceber que Santiago é um destino para todo tipo de freguês. Ou melhor, de viajante! Entre em contato com a Aghito e não perca mais tempo para planejar o seu roteiro!